Tia Roberta Odontopediatra » Blog Archive » Método BLW
11
março
2016
Método BLW

Hoje vou discorrer sobre uma sigla que me deparei no meio das minhas pesquisas diárias…BLW. Já havia lido rapidamente sobre o assunto, porém só agora tive a curiosidade de ler mais a fundo. O método BLW (Baby Led Weaning, que se traduz como Desmame Conduzido Pelo Próprio Bebê), consiste em permitir que o bebê coma com as próprias mãos, sozinho, os alimentos inteiros ou pedaços grandes. É uma metodologia alternativa no ato de introdução aos sólidos.

blw

Não existindo colher, papinha ou alimentos amassados, o bebê senta na mesa com a família e participa do ato de alimentar-se conjuntamente. Os alimentos precisam ter um tamanho e formato que facilite que ele pegue com as mãos, podendo assim, escolher o que come, dentre os diversos que são colocados ao seu alcance. Tudo no seu tempo e quantidade escolhidos. A filosofia baseia-se no fato de que alimentar-se bem não significa quantidades grandes, mas sim, a qualidade do alimento e do ato de se alimentar – ou seja, as famosas “brigas” pra comer que às vezes as mamães se deparam com os filhos no dia-a-dia não existem no método BLW. O bebê basicamente participa ativamente do processo de escolha da sua refeição, conferindo a ele também outro ponto importante da sua educação, que é a autonomia e responsabilidade de tomar as suas próprias decisões, ou seja, comer o que quer e do jeito que quer. A coordenação motora do bebê também é bastante trabalhada, visto que ele precisa usar as mãos para se alimentar.

O BLW foi desenvolvido pela inglesa Gill Rapley e ganhou força rapidamente devido a sua metodologia de introdução dos alimentos sólidos, que deve iniciar a partir dos 6 meses (idade preconizada pelos Pediatras); ele vem crescendo nas famílias, principalmente no exterior (no Brasil ainda é uma novidade, e muitas vezes causa estranheza entre profissionais e responsáveis), tornando-se a forma prioritária de introdução dos alimentos frente às dificuldades que os pais encontram ao iniciar a alimentação sólida dos filhos, que muitas vezes apresentam resistência em comer tudo que é oferecido a ele. Mas atente-se a alguns detalhes antes de achar que encontrou a solução para os seus problemas: quem se torna adepto do método BLW precisa saber que paciência é a palavra-chave para o seu sucesso, pois como comentamos anteriormente, o ato de alimentação no método BLW depende praticamente todo da iniciativa do bebê. O ato de descobrir os alimentos, tocá-los, sentir o seus diferentes cheiros, gostos e consistência ajuda a aguçar os sentidos do seu filho, mas é um processo que pode ser demorado e, para ter sucesso, não pode ser apressado (já que precisa ser feito no tempo do bebê), portanto, nada de ter pressa. E é preciso saber também que o processo de comer com as próprias mãos vai gerar uma certa “baguncinha” na cozinha ou sala de jantar, porque o bebê, além de ficar lambuzado, vai eventualmente derrubar alguma comida no chão, o que é natural.

Método-BLW-suj

Sem sombra de dúvidas, uma das grandes vantagens do método é a melhoria na alimentação dos próprios pais, que não precisam ficar dando a comida na boca dos filhos. Ambos podem comer ao mesmo tempo e curtir uma refeição prazerosa e quentinha – as mamães agradecem rsrs…estudos mostram que a qualidade do alimento que os pais ingerem também tende a melhorar, já que os filhos se espelham nos pais para comer, e todos comem junto à mesa; a família de uma maneira geral acaba por ingerir mais leguminosos, frutas e alimentos com menor quantidade de sal. Para quem já tem crianças em casa, o método consegue ser introduzido com mais facilidade, pois sabemos que crianças mais novas sempre tentam imitar as mais velhas, portanto, o bebê vai querer comer igual o seu irmãozinho.

Atente-se também a esse ponto muito importante! Não é porque o método BLW preza pela autonomia do bebê, que o ato de alimentação do mesmo deve ser feito sem a supervisão de um adulto. Esteja sempre ao lado do seu bebê quando ele estiver comendo e fique ligado na possibilidade de engasgamento, que pode vir a acontecer, pois o bebê ainda está aprendendo a se alimentar com os sólidos. Os alimentos, mesmo que sólidos, devem ser moles, sem ossos ou cartilagens (carnes devem ser liberados primeiro pelo Pediatra), e nada de temperos muito fortes, como pimentas e especiarias semelhantes. No mais, vale a pena arriscar e perceber o que o seu filho se identifica mais, quais são as preferências alimentares dele.

blw_home

E aí, vai tentar?

Tia Roberta




gravatar
Roxana
25/março/2016 às 11:35

1

Adoro suas orientações. Sempre úteis e embasadas em evidências científicas. Parabéns, vc é muito competente e tem muito compromisso com o público.

[Responder]

Gravatar

Tia Roberta Respondeu:

Obrigada pelo carinho! Beijos!

[Responder]




[pulaalegria] (óculos) (triste) (sorrisão verde) (seta) (piscada) (pensativo) (muito triste) (mega feliz) (malvado) (lingua) (interrogação) (idéia) (gargalhada) (feliz) (exclamação) (envergonhado) (doido) (confuso) (como assim) (chocado) (bravo)