Tia Roberta Odontopediatra » escovação
31
julho
2015
Quando devo começar a escovar os dentes do meu bebê?

cuidados-com-os-dentes-do-bebê

Essa é uma pergunta “famosa” nos consultórios odontopediátricos. Entende-se, baseado clinicamente e em evidências científicas, que a escovação dental deve começar assim que o primeiro dentinho erupcionar. Antes da fase de erupção, a mamãe pode higienizar com gaze embebida em água filtrada, ou até mesmo usar os produtos apropriados que hoje em dia temos no mercado (como o Rabbit Oral Care, da MAM, e também o Oral Wipes, que são lencinhos umedecidos descartáveis). Após a erupção, a mamãe deve passar a usar a escova dental, e hoje em dia no mercado existem vários tipos de escovas para bebês, de diversas marcas. A marca, contudo, não é o mais importante; o que deve ser observado no momento de escolher uma escova para o seu filho é o tamanho da cabeça dela (que deve ser o menor possível), e a maciez das cerdas – NUNCA utilize escovas com cerdas duras, pois isso pode machucar a boquinha do bebê.

Além disso, a Associação Brasileira de Odontopediatria preconiza o uso do creme dental COM flúor na concentração de 1.100 ppm a partir do momento em que o bebê tem dentes, pois ele já se torna suscetível à doença cárie, e precisa do flúor como prevenção. Para que não haja intoxicação com a ingestão do flúor, a medida preconizada para a quantidade de creme utilizado é o tamanho de 1 grão de arroz cru para crianças que não sabem cuspir, e 1 grão de ervilha para crianças que já sabem. Essas medidas são cientificamente consideradas seguras, portanto mamães e papais, não se preocupem com a fluorose (intoxicação pela ingestão em excesso do flúor)! O seu bebê não correrá esse risco se essas medidas forem seguidas corretamente.

image1

E como fazer para motivar o seu filho a cuidar da saúde bucal? Uma técnica interessante e que funciona para incentivá-lo a gostar de escovar os dentes desde o primeiro momento seria os pais escovarem na frente dele, fazendo disso um grande momento familiar! Isso desperta a curiosidade. Outra técnica também é você deixar a criança segurar um pouco a escova, deixá-la “brincar” de escovar (é MUITO importante que entendam essa diferença: a criança vai BRINCAR, mas a escovação verdadeira é você quem vai fazer nela, com outra escova separada somente para esse uso). Crianças nessa idade não tem maturidade e nem coordenação motora prontas o suficiente para esse tipo de independência, sempre com o seu monitoramento nessa hora, para que ela não tenha risco de se machucar, ok? Brinquedos com tema de higiene bucal são super válidos também (alguém já viu a Baby Alive com tema de escovar os dentinhos?), e desenhos animados (no YouTube tem vários com tema de higiene bucal), enfim, o céu é o limite. Desde que a escovação seja feita respeitando essa fase super importante que é o início da dentição, e seja mantida nos horários adequados (após as principais refeições), fiquem tranquilas que tudo dará super certo com os seus bebês!

boneca_baby_alive_-_hora_de_dormir_-_hasbro_1


20
julho
2015
A Odontopediatria preventiva

DSC_7633blog

A Odontologia atual, tanto no âmbito da saúde pública como na privada, preconiza a prevenção como sendo a opção de tratamento mais importante no seu paciente, ou seja, o trabalho de motivação e promoção de saúde devem começar antes da criança/adulto ter qualquer problema bucal, ao invés do que acontecia antigamente, em que as pessoas de uma maneira geral só frequentavam o consultório odontológico quando tinham alguma doença, sendo praticado portanto, uma Odontologia exclusivamente curativa.

Na Odontopediatria, o sucesso da prevenção tanto no consultório como em casa, está na motivação dos pais e da criança quanto à escovação dos dentes. É muito importante o diálogo e a explicação do desenvolvimento das doenças bucais (em especial à cárie), sendo fundamental para a compreensão da importância dos métodos preventivos, ou seja, a criança frequentar o consultório “somente” para escovar os dentes.

Acontece que esse “somente” é o ponto de início de todo um trabalho educativo que o profissional Odontopediatra realiza na criança, mudando todo o seu estilo de vida, e quem sabe, o seu futuro, já que sabemos que o sorriso é a porta de entrada para qualquer relação, seja profissional ou pessoal. Gosto de pensar que somos educadores, além de dentistas, e sinto muito orgulho disso! Vamos então mergulhar no mundo da prevenção? :)

A consulta preventiva é a mais importante de todo o tratamento porque é o momento em que os pais tiram todas as dúvidas que possuem quanto à higienização e alimentação da criança (alimentos com potencial cariogênico). As dúvidas são diversas: desde qual tipo de escova comprar, a quantidade de creme dental que deve ser utilizado e o uso do flúor ou não (essa é uma dúvida que ainda persiste entre os pais). Respondendo essas últimas perguntas: As escovas dentais devem ser de cerdas macias e cabeça pequena, de forma que irão “caber” na boquinha da criança; alguns fabricantes produzem escovas grandes demais e inapropriadas para a anatomia da cavidade bucal infantil, dificultando a higienização; portanto mamães e papais, sempre fiquem atentos quanto à isso! O tamanho do cabo também pode variar de acordo com a faixa etária da criança.

foto post mamae 2x

Mas em que idade deve-se começar a escovar os dentes? Entendemos que as crianças devem iniciar a escovação a partir do momento em que erupcionam os dentinhos, utilizando a partir desse momento escova infantil e creme dental COM flúor a partir de 1.100 ppm (preconizado pela Associação Brasileira de Odontopediatria) utilizando a medida de um grão de arroz cru para crianças que não sabem cuspir e um grão de ervilha para crianças que sabem; essa medida irá prevenir a fluorose, que é a principal preocupação que os profissionais tem quanto ao uso do flúor. Acontece que já foi comprovado cientificamente a importância do mesmo na prevenção da doença cárie, reduzindo em mais de 50% a incidência de lesões, portanto se os pais utilizarem a medida corretamente não haverá nenhum tipo de prejuízo.

image1

A quantidade de vezes em que a criança deve escovar os dentes também é um questionamento que os pais sempre tem, e o ideal seria que ela higienizasse sempre depois das refeições, em especial quando ingerir alimentos com potencial cariogênico (açúcar).

Nas consultas preventivas, normalmente o profissional também orienta os pais e a criança quanto à técnica de escovação mais adequada para a sua faixa etária, explicando de uma forma lúdica como os dentinhos devem ser escovados (movimento do trenzinho, da bolinha, da vassourinha…). Isso prende a atenção da criança e ajuda a fixar os movimentos na hora em que ela vai escovar sozinha em casa!

DSC_7588blog

Existe ainda toda uma gama de informações a serem divulgadas, pois a consulta preventiva é muito rica, por isso é tão valiosa no consultório! Para os demais esclarecimentos, visite um Odontopediatra para tirar as suas dúvidas, afinal a consulta em tempo regular é importantíssima para manter a motivação na criança e a garantia de um mundo sem cárie!


3
julho
2015
Odontologia neonatal e para bebês
O assunto que eu vou abordar hoje é super bacana e interessante, não só pra quem é da área, mas também para mamães e gravidinhas; a Odontologia neonatal e para bebês! Nós, Odontopediatras, também participamos no momento mais sublime da vida de uma mãe e o seu bebê: o nascimento. O profissional atua no ambiente hospitalar, fazendo acompanhamento no puerpério de bebês, tanto no alojamento conjunto, como na unidade de médio risco ou na UTI neonatal, também prestando acompanhamento em bebês com necessidades especiais e prematuros.
O profissional presta apoio e amparo nos cuidados de rotina dessa fase, como no manejo do aleitamento materno (analisando as condições de sucção, respiração e deglutição), e também na possível detecção de anomalias bucais do recém-nascido, como dentes natais e neonatais, anquiloglossia, fissuras labiopalatais, nódulos de Bohn, dentre outras).
Dentes Natais e Neonatais:
dente natal
Uma nas anomalias bucais vistas com mais frequência são os dentes natais e neonatais. Os dentes natais são aqueles que estão presentes no nascimento da criança, ou seja, ela nasce com dentes (geralmente, não são mais de dois, e os mais acometidos são os incisivos inferiores), enquanto os dentes neonatais são aqueles que erupcionam ao longo dos 30 dias de vida do neonato. Esses dentinhos que erupcionam com alta precocidade podem ser da série normal ou supranumerários, ou seja, são dentes a mais que erupcionam na boca, ultrapassando a contagem padrão de 20 dentes decíduos (de leite). Quando se descobre a presença desses dentinhos, deve-se fazer uma tomada radiográfica para descobrir esse dado, e decidir se devemos removê-lo ou não. Quando o dente está com mobilidade, independente de ser de série ou não, devemos realizar a extração desse dentinho, pois a falta de estabilidade do elemento na boquinha do bebê pode gerar uma possível deglutição ou aspiração, o que é pior.
Nódulos de Bohn:
nodulos de bohn
Outro grupo de lesões frequentes na cavidade bucal do neonato são os nódulos de Bohn, que caracterizam-se por serem nódulos (como se fossem bolinhas esbranquiçadas) localizados nos rodetes gengivais, tendo preferência na região ântero-superior. Normalmente, a conduta é fazer um acompanhamento pelo Odontológo, pois a tendência é o desaparecimento dos mesmos.
Pérolas de Epstein:
perolas de epstein
As pérolas de Epstein também classificam-se como nódulos císticos que possuem características clínicas semelhantes aos nódulos de Bohn, porém tem menor prevalência e localizam-se preferencialmente na região palatina (no céu da boca).
Fissuras Labiopalatais:
fissuras labiopalatais
As fissuras labiopalatais são anomalias de caráter mais sério, e ocorrem devido à malformações no período embrionário (entre a quinta e a décima segunda semana de vida intrauterina). Essas fendas são encontradas com mais frequência na região do lábio superior e do palato (céu da boca), portanto, acometem geralmente o osso da maxila. Elas podem ser somente teciduais, não envolvendo os ossos, como também como acometer toda a estrutura óssea dessa região. As fissuras labiopalatais podem estar ligadas à fatores genéticos e síndromes.
Lesão de Riga-Fede:
riga fede
Esta lesão, cujo nome foi dedicado aos pesquisadores que a descobriram, apresenta-se como uma ulceração traumática na porção ventral da língua (embaixo da língua), provocada pela presença dos dentes natais/neonatais, estando essas duas anomalias, portanto, ligadas. A dor dessa ulceração pode provocar no bebê desidratação, dificuldades na amamentação, além de aumentar o potencial de infecção na área.
Cisto de Erupção:
cisto de erupcao
É um cisto cuja lesão envolve a coroa de um dente ainda não irrompido (ou seja, um dente que ainda não nasceu mais está prestes a nascer), podendo ser da série normal ou supranumerário, decíduo (de leite) ou permanente, formando uma espécie de “bolha” em cima dos dentes que encontram-se nesse estágio. Quando o cisto se prolonga e não ocorre a irrupção do dente, provocando uma retenção na erupção do mesmo, a conduta mais adequada é remover cirurgicamente o cisto.
Hematoma de Erupção:
hematoma de erupcao
É uma variação do cisto de erupção que é hemorrágica, ou seja, dentro da bolha do cisto contém sangue, dando à lesão uma cor azulada ou arroxeada, como se fosse um hematoma mesmo. A conduta de tratamento é semelhante.
Anquiloglossia (Língua presa):
anquiloglossia
Caracteriza-se pela união da ponta da língua ao soalho bucal, a parte mais inferior da boca, provocando uma dificuldade na movimentação da língua, pois a mesma fica presa. Essa limitação motora provoca deficiência ou impossibilidade na amamentação, alimentação, fonação e desenvolvimento dos maxilares. Visto isso, hoje em dia já foi decretado como Lei o “Teste da Linguinha”, o qual o neonato passa por uma avaliação se a sua língua encontra-se presa ou não, devendo realizar cirurgicamente, a frenectomia lingual (cirurgia que remove essa união), em casos de teste positivo.
Existem ainda diversas lesões e anomalias que acometem neonatos e bebês, porém as de maior prevalência encontram-se nestes dois posts. Para maiores informações, consultem a literatura que trata a respeito de Odontologia para Bebês! Super indico o livro “Manual de Odontologia para Bebês”, que usei como referência bibliográfica para a elaboração desse post.
livro manual