Tia Roberta Odontopediatra » primeira dentição
27
julho
2015
A primeira dentição

dente_de_leite-710x400

O tema de hoje é a primeira dentição! O momento tão esperado em que nascem os primeiros dentinhos do seu bebê (por volta dos 6 meses) e se inicia todo um novo ciclo na rotina de ambos, afinal de contas a mamãe passa a ter mais essa responsabilidade, a de acompanhar e cuidar dessas pequenas “jóias” que começam a surgir! Acontece que o processo todo não é fácil. Alguns bebês (que fique bem claro, isso não é uma regra) podem sofrer alguns sintomas como inflamação gengival, irritação, estado febril, salivação aumentada, perda de apetite, diarreia, etc. A coceira na gengiva é também muito comum. Para resolver esse último sintoma, os mordedores são excelentes aliados, especialmente aqueles que possuem função “cooler”, você coloca na geladeira e ele fica friozinho. O bebê adora! Também existem no mercado alguns medicamentos auxiliares para o alívio dos sinais e sintomas da primeira dentição do bebê; o mais utilizado é a Camomilina C, que é à base de extrato de camomila e vitaminas, e normalmente traz resultados bem satisfatórios. Outros sintomas mais difíceis de combater devem ser pacientemente controlados. Caso os sintomas digestivos e de febre persistam, vale a pena consultar o Pediatra para resolvê-los. Mas mamães, lembrem-se: é uma fase e vai passar!

mordedor mam

A cronologia de erupção segue da seguinte forma: inicialmente nascem os incisivos centrais inferiores e depois superiores, ambos por volta dos 07 a 09 meses; depois os incisivos laterais superiores e inferiores, que surgem quase que juntos, por volta dos 10 aos 12 meses; os molares superiores e inferiores erupcionam por volta dos 12 a 16 meses, e depois vem os caninos, por volta dos 16 a 20 meses. Por último, erupcionam os segundos molares, por volta dos 24 a 30 meses, completando 20 dentinhos e fechando o ciclo da primeira dentição. O seu bebê terá esses dentinhos exclusivamente até os 06 a 07 anos, mais ou menos, que é quando começa a erupção dos primeiros molares permanentes e a troca dos dentinhos de leite (dentição mista).

Segue abaixo um esquema da cronologia de erupção dos dentes decíduos. Lembrem-se que é uma estimativa, não existe regra quanto a época certa, desde que não atrase um período de 1 ano em que o dentinho deveria ter nascido!

dentinhos cronologia


3
julho
2015
Odontologia neonatal e para bebês
O assunto que eu vou abordar hoje é super bacana e interessante, não só pra quem é da área, mas também para mamães e gravidinhas; a Odontologia neonatal e para bebês! Nós, Odontopediatras, também participamos no momento mais sublime da vida de uma mãe e o seu bebê: o nascimento. O profissional atua no ambiente hospitalar, fazendo acompanhamento no puerpério de bebês, tanto no alojamento conjunto, como na unidade de médio risco ou na UTI neonatal, também prestando acompanhamento em bebês com necessidades especiais e prematuros.
O profissional presta apoio e amparo nos cuidados de rotina dessa fase, como no manejo do aleitamento materno (analisando as condições de sucção, respiração e deglutição), e também na possível detecção de anomalias bucais do recém-nascido, como dentes natais e neonatais, anquiloglossia, fissuras labiopalatais, nódulos de Bohn, dentre outras).
Dentes Natais e Neonatais:
dente natal
Uma nas anomalias bucais vistas com mais frequência são os dentes natais e neonatais. Os dentes natais são aqueles que estão presentes no nascimento da criança, ou seja, ela nasce com dentes (geralmente, não são mais de dois, e os mais acometidos são os incisivos inferiores), enquanto os dentes neonatais são aqueles que erupcionam ao longo dos 30 dias de vida do neonato. Esses dentinhos que erupcionam com alta precocidade podem ser da série normal ou supranumerários, ou seja, são dentes a mais que erupcionam na boca, ultrapassando a contagem padrão de 20 dentes decíduos (de leite). Quando se descobre a presença desses dentinhos, deve-se fazer uma tomada radiográfica para descobrir esse dado, e decidir se devemos removê-lo ou não. Quando o dente está com mobilidade, independente de ser de série ou não, devemos realizar a extração desse dentinho, pois a falta de estabilidade do elemento na boquinha do bebê pode gerar uma possível deglutição ou aspiração, o que é pior.
Nódulos de Bohn:
nodulos de bohn
Outro grupo de lesões frequentes na cavidade bucal do neonato são os nódulos de Bohn, que caracterizam-se por serem nódulos (como se fossem bolinhas esbranquiçadas) localizados nos rodetes gengivais, tendo preferência na região ântero-superior. Normalmente, a conduta é fazer um acompanhamento pelo Odontológo, pois a tendência é o desaparecimento dos mesmos.
Pérolas de Epstein:
perolas de epstein
As pérolas de Epstein também classificam-se como nódulos císticos que possuem características clínicas semelhantes aos nódulos de Bohn, porém tem menor prevalência e localizam-se preferencialmente na região palatina (no céu da boca).
Fissuras Labiopalatais:
fissuras labiopalatais
As fissuras labiopalatais são anomalias de caráter mais sério, e ocorrem devido à malformações no período embrionário (entre a quinta e a décima segunda semana de vida intrauterina). Essas fendas são encontradas com mais frequência na região do lábio superior e do palato (céu da boca), portanto, acometem geralmente o osso da maxila. Elas podem ser somente teciduais, não envolvendo os ossos, como também como acometer toda a estrutura óssea dessa região. As fissuras labiopalatais podem estar ligadas à fatores genéticos e síndromes.
Lesão de Riga-Fede:
riga fede
Esta lesão, cujo nome foi dedicado aos pesquisadores que a descobriram, apresenta-se como uma ulceração traumática na porção ventral da língua (embaixo da língua), provocada pela presença dos dentes natais/neonatais, estando essas duas anomalias, portanto, ligadas. A dor dessa ulceração pode provocar no bebê desidratação, dificuldades na amamentação, além de aumentar o potencial de infecção na área.
Cisto de Erupção:
cisto de erupcao
É um cisto cuja lesão envolve a coroa de um dente ainda não irrompido (ou seja, um dente que ainda não nasceu mais está prestes a nascer), podendo ser da série normal ou supranumerário, decíduo (de leite) ou permanente, formando uma espécie de “bolha” em cima dos dentes que encontram-se nesse estágio. Quando o cisto se prolonga e não ocorre a irrupção do dente, provocando uma retenção na erupção do mesmo, a conduta mais adequada é remover cirurgicamente o cisto.
Hematoma de Erupção:
hematoma de erupcao
É uma variação do cisto de erupção que é hemorrágica, ou seja, dentro da bolha do cisto contém sangue, dando à lesão uma cor azulada ou arroxeada, como se fosse um hematoma mesmo. A conduta de tratamento é semelhante.
Anquiloglossia (Língua presa):
anquiloglossia
Caracteriza-se pela união da ponta da língua ao soalho bucal, a parte mais inferior da boca, provocando uma dificuldade na movimentação da língua, pois a mesma fica presa. Essa limitação motora provoca deficiência ou impossibilidade na amamentação, alimentação, fonação e desenvolvimento dos maxilares. Visto isso, hoje em dia já foi decretado como Lei o “Teste da Linguinha”, o qual o neonato passa por uma avaliação se a sua língua encontra-se presa ou não, devendo realizar cirurgicamente, a frenectomia lingual (cirurgia que remove essa união), em casos de teste positivo.
Existem ainda diversas lesões e anomalias que acometem neonatos e bebês, porém as de maior prevalência encontram-se nestes dois posts. Para maiores informações, consultem a literatura que trata a respeito de Odontologia para Bebês! Super indico o livro “Manual de Odontologia para Bebês”, que usei como referência bibliográfica para a elaboração desse post.
livro manual